sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O 4º Salão de Arte Fotográfica do G. Desportivo da CUF

Após a publicação do 6º Salão de Arte Fotográfica, recuemos até ao ano de 1954, e espreitemos agora o 4º certame deste género organizado pelo Grupo Desportivo da CUF, que decorreu no Cinema Ginásio entre 26 de Dezembro de 1954 a 9 de Janeiro de 1955. Aqui ficam 18 das melhores fotografias, infelizmente algumas das estampas não têm grande qualidade gráfica, mas isso deve-se à forma como foi impressa. Neste Salão Nacional, estiveram presentes 99 concorrentes, apresentando um total de 357 trabalhos.

Composição do Júri:

João de Freitas Martins
pelo: Grupo Câmara

Joaquim Testa Santos
pelo Grémio Português de Fotografia

Eng. Victor M. Chagas Dos Santos
pelo Grupo Desportivo da CUF

Ag. Técn. Eng. Eduardo H. Sena
pelo Jornal do Barreiro

Kazimiers Zarebski
pelo Foto Clube 6 x 6
















Luz Radiosa ******************************** Estendal
João da Costa Leite (Porto)***************António Rosa Casaco (Lisboa)














Picasso na Construção************************Santa Missão
Fernando Vicente (Lisboa)*****António Santos D´Almeida Jr. (Lisboa)















O Último Jornal da Noite*******************A Luz Vem Do Céu
Alberto da Silva Fonseca (Porto)***********António Paixão (Almada)











Quando Chega o Inverno***************Nevoeiro do Rio
Artur de Araújo (Lisboa)*************Dr. Jorge da Silva Araújo (Lisboa)















Dinamismo************************************Vidas Difíceis
David de Almeida Carvalho (Coimbra)*************Artur Pastor (Lisboa)















Frederico de Brito*********************************Neve!
Mário Pinto (Queluz)***********************Olavo Terroso (Lisboa)















Nos Bastidores da Vida******************Cabeça de Minhoto
Mário de Almeida Camilo (Lisboa)***João de Freitas Martins (Lisboa)















Velha Lisboa*************************************Refracção
Joaquim Testa Santos (Lisboa)*Eng. Victor M. Chagas dos Santos (Barreiro)















Estilização***********************************Sem Titulo
Ag. Tecn. Eng. Eduardo H. Sena (Barreiro)*Kazimiers Zarebsi (Lisboa)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Chávena da CNN

Para o post de hoje, aqui vos deixo uma interessante chávena do final dos anos 60 da CNN, falta-lhe o pires é certo, mas esse não estava disponível! (Risos) Mesmo assim não deixa de ser uma bonita peça para ser mostrada, tem marca da Vista Alegre, sendo o seu carimbo datado do período (1968-71).


sábado, 16 de outubro de 2010

Noticias sobre a Lisnave 2

Esta e uma interessante reportagem feita pela Revista Observador em 1971, aquando da inauguração da Doca Alfredo da Silva, retratando vários aspectos, onde e feita uma breve descrição do projecto. Chamo mais uma vez a atenção para um facto curioso (e que é bem raro nos dias de hoje) nessa época, podia-se orgulhar o Pais de ter uma empresa modelo como a Lisnave, que em vez de procurar no exterior a tecnologia e soluções para este novo empreendimento, preferiu apostar nas empresas nacionais (entre as quais a Mague).

Deixo esta pergunta em aberto: E hoje também é assim? Todos sabemos que existindo Grupos empresariais dinamizadores que são motores de desenvolvimento dos países (como era em Portugal o caso do Grupo CUF) vão mexer com muitos outros sectores de actividades, nos quais querem encontrar empresas nacionais que dai para a frente lhe forneçam os materiais que requerem, em vez do o mesmo ser importado, tendo como consequência a saída de importantes somas de capitais que poderiam assim ser reinvestidos na Industria ou noutros sectores. Assim automaticamente essas empresas fornecedoras, vão-se modernizar, apostam em "know how" tecnológico, diversificam a sua gama de produtos, apostando na competitividade, promovendo assim o crescimento industrial, e o aparecimento de novas industrias, que quando apoiadas por boas politicas de incentivo a produção, e exportação, tem grande importância na Economia Nacional.

Relembro, que neste período a Lisnave, contribuía com um volume de cerca de 1 milhão de contos (a preços de época) em divisas para a economia nacional! Isto para não falar, a quantidade de empregos que a mesma fornecia (mais de 4000). De facto é uma reportagem que merece ser lida, para ler, basta clicar nas imagens

pág. 1


pág. 2


pág. 3


pág. 4


pág. 5

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Azulejo com o Simbolo da CIP

Ja anteriormente tinha falado no meu blogue sobre a CIP. Pois hoje é a vez de apresentar o simbolo desta empresa. Peça tipicamente dos anos 50/60 certamente será peça única. Por informação que detenho, encontrava-se nos escritórios da empresa, assim, poderia muito bem ter sido um presente do pessoal da fabrica a alguém da sua chefia. Feito com os materiais que dispunham com maior facilidade como o papel de lustro, veludos e cordoes de seda. Nessa época era comum, a produção deste tipo de "quadros", ainda que mais vocacionados para o Mundo do Futebol. Quem ainda hoje entrar em antigas agremiaçoes desportivas, ou antigas tascas poderá certamente observar essas peças quase unicas feitas com todo o carinho, por autênticos mestres, nao faltarão nas suas paredes o Benfica, o Sporting, o Barreirense, entre outros. Observe-se o símbolo da CIP feito com base num simples azulejo, consegue-se ver a olho nu as suas letras feitas a mão. Uma peça admirável, e cheia de historia.


terça-feira, 5 de outubro de 2010

Medalha da Presença da CUF na 22ª Reuniao da IAA

A tendência para a progressiva liberalização do comercio internacional provocou a necessidade de um aperfeiçoamento constante dos processos de fabrico e da qualidade dos produtos. Esta ultima característica afigura-se, fundamental e, ao ser apreciada pelo consumidor é resultante de elementos objectivos e subjectivos em que a apresentação do artigo e a motivação de compra despertada por uma publicidade atractiva (e ate agressiva) e com "slogans" fortes, tudo se resumindo numa frase: Saber vender um produto.

A IAA (International Advertising Association) surgiu em 1938, pelas mãos de Thomas Ashwell editor da Revista Trade Export & Shipper de Nova Iorque. Ciente da necessidade da existência de uma organização, que coordenasse e promovesse a pratica da publicidade a nível internacional, Aswell junto-se com outros doze executivos na área da publicidade, num almoço no dia 8 de Abril desse ano no Harvard Club de Nova Iorque, assim nascendo a IAA.

O seu 22º Congresso Mundial realizou-se em Lisboa de 13 a 19 de Junho de 1971. Infelizmente a informação sobre o tema e muito escassa, sabendo-se que estiveram presentes as maiores empresas e marcas da sua época. O que aqui vos trago é uma interessante e rara medalha da presença do Grupo CUF nesse mesmo congresso. Por esta época a CUF tinha entrado no mundo da Publicidade e fundado a sua própria empresa publicitária a Penta Publicidade (1970), não é por isso estranha a sua presença num evento destes. Medalha de traços simples não deixa de ser bastante curiosa sendo possivelmente das únicas medalhas da empresa feitas na língua inglesa.